RA D IOHE_A D/B_RA S IL

Fórum Brasileiro da Banda RADIOHEAD.
 
InícioFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Poemas

Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2, 3 ... 10 ... 19  Seguinte
AutorMensagem
Mat
Amnesiac
Amnesiac
avatar

Número de Mensagens : 3142
Idade : 28
Localização : Bahia
Humor : amnesiquiano
Data de inscrição : 27/06/2009

MensagemAssunto: Re: Poemas   Sex Jul 24, 2009 9:47 pm

&'


Última edição por Mat em Seg Mar 10, 2014 12:35 am, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Radio
Pablo Honey
Pablo Honey
avatar

Número de Mensagens : 441
Idade : 31
Localização : Ribeirão Preto
Humor : Social
Data de inscrição : 24/03/2009

MensagemAssunto: Re: Poemas   Sex Jul 24, 2009 10:37 pm

eu li qd vc postou... legal, por ser breve e marcante...

VCS que postam, têm alguma pretensão? já participaram de concursos? tem opiniões de especialistas?
conta um pouquinho pra galera de casa...
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Mat
Amnesiac
Amnesiac
avatar

Número de Mensagens : 3142
Idade : 28
Localização : Bahia
Humor : amnesiquiano
Data de inscrição : 27/06/2009

MensagemAssunto: Re: Poemas   Sex Jul 24, 2009 10:43 pm

Surprised 


Última edição por Mat em Seg Mar 10, 2014 12:36 am, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Radio
Pablo Honey
Pablo Honey
avatar

Número de Mensagens : 441
Idade : 31
Localização : Ribeirão Preto
Humor : Social
Data de inscrição : 24/03/2009

MensagemAssunto: Re: Poemas   Sex Jul 24, 2009 10:49 pm

Quando era menor eu escrevi um poema...o título era: "Queria ser um bolinho de chuva"

Pagode? rs...achava que vc era de Salvador, terra de Ivetão ! ! ! Bahia , terra do "Boca do Inferno"... mas assim, o foda é viver no interior aí,,, Salvador já deve ser difícil, imagina interior.... to bem aqui no sudeste..hehe...NE só pra diversão...

Mas assim, estude e procure ajuda pra crescer como escritor... pode ser de mecenas, rs...ou até mesmo profissionais!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Mat
Amnesiac
Amnesiac
avatar

Número de Mensagens : 3142
Idade : 28
Localização : Bahia
Humor : amnesiquiano
Data de inscrição : 27/06/2009

MensagemAssunto: Re: Poemas   Sex Jul 24, 2009 10:54 pm

:  yhumbsup


Última edição por Mat em Seg Mar 10, 2014 12:36 am, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Mat
Amnesiac
Amnesiac
avatar

Número de Mensagens : 3142
Idade : 28
Localização : Bahia
Humor : amnesiquiano
Data de inscrição : 27/06/2009

MensagemAssunto: Re: Poemas   Sex Jul 24, 2009 11:02 pm

Gente, vejam isso... eu queria ter escrito essa obra prima! Meu Deus! que rimas! Que rimas!

Ofélia - Arthur Rimbaud

Na onda calma e negra onde dormem estrelas dos céus
A branca Ofélia flutua como um grande lírio,
Flutua lentamente, deitada em longos véus...
— Ouvem-se longe nos bosques da caça os delírios.

Fazem mais de mil anos que a triste Ofélia
Passa, fantasma branco, no longo rio cor da noite.
Mais de mil anos que a sua doce folia
Murmura sua cantiga à brisa da noite.

O vento beija seus seios e como pétalas estende
Seus grandes véus embalados pelas águas levemente;
Os chorões arrepiados choram em seu ombro que prende,
Na sua fronte sonhadora os juncos inclinam docemente.

As Vitórias-Régias amassadas suspiram em volta dela;
Ela acorda às vezes, num álamo adormecido,
Algum ninho, de onde escapa uma assopradela:
— Um canto misterioso parece dos astros caído.

II

Ó pálida Ofélia! bela como a neve!
Sim, morreste, criança, e um rio te leve!
E que os ventos caindo dos grandes montes da Noruega
Te falaram baixinho da áspera liberdade;

É que um sopro, torcendo tua grande cabeleira,
Ao teu espírito sonhador levava estranhos ruídos;
Que teu coração ouvia o canto da Natureza inteira
Nos lamentos da árvore e nos suspiros doídos;

É que a voz dos mares loucos, grito agonizante,
Quebrava teu seio de criança, demais humano e doce;
É que uma manhã de abril, um belo cavaleiro andante,
Um pobre louco, mudo a teus joelhos sentou-se!

Céu! Amor! Liberdade! Que sonho, ó pobre Louca!
Derretias nele como neve com fogo ao lado;
Tuas grandes visões mataram a palavra da tua boca
- E o Infinito terrível assustou teu olho azulado!

III

— E o Poeta diz que aos raios das estrelas
Vens buscar, à noite, flores em delírio,
E que ele viu na água, deitada em longas velas,
A branca Ofélia flutuar, como um grande lírio.

15 de maio 1870.