RA D IOHE_A D/B_RA S IL

Fórum Brasileiro da Banda RADIOHEAD.
 
InícioFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seLogin

Compartilhe | 
 

 Bowery Electric

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Radiohead Brasil
Administrador
Administrador


Número de Mensagens : 1539
Localização : Andrômeda
Data de inscrição : 10/10/2008

MensagemAssunto: Bowery Electric   Seg Out 19, 2009 11:54 am



São quatro horas da manhã. Percorre-se, num carro a alta velocidade, quilómetros e quilómetros de uma auto-estrada apenas iluminada, de metros em metros, por luzes que não são suficientes, só por si, para evitar que a escuridão permaneça. No fim dessa mesma auto-estrada, uma cidade, plena em arranha-céus, esconde uma decadência e consternação que pertencem apenas a quem as sente. As ruas estão já quase vazias; já só se vê quem nelas vai dormir. Cada canto esconde as mais diversas formas de escuridão, as mais solitárias formas de recolhimento. Agora, o medo e o isolamento enchem as ruas da cidade, outrora preenchidas por pessoas. É cada vez maior o contraste das luzes frágeis emanadas pelos candeeiros ferrugentos com a cerração típica dos momentos que restam entre o crepúsculo da tarde e o crepúsculo da manhã. Quase toda a cidade dorme e por muito tempo o fará.

É este o cenário que Lushlife sugere. O quarto longa-duração da dupla Lawrence Chandler / Martha Schwendener é portador de um trip hop vestido por obscuros e aveludados arranjos de cordas, linhas de baixo corpulentas e contínuas e beats (tipicamente hip-hop) substanciosas e compactas. A voz de Martha Schwendener é tingida de calma, sossegada como se estabelecesse a (re)conciliação com o silêncio. A taciturnidade comanda as operações. As atmosferas densas e tenebrosas são partilhadas por quase todos os temas. Os violinos rasgam as canções, introduzem-lhe uma emoção e pungência enternecedoras. Os scratches sulcam as canções, e as guitarras por vezes tornam-nas ainda mais condensadas. O ambiente é irrespirável. As únicas vezes que se sai desta comoção acontecem em “Freedom Fighter” e “Passages” que, ao contrário dos restantes oito temas, são canções bastante uplifting e onde se pode respirar alguma descontracção e conforto. Martha Schwendener fala-nos de liberdade, de um ideal a atingir. A sensualidade está também presente em doses moderadas, misturada com a violência e o declínio. Mas também se fala de salvação, redenção. “Soul City” é uma canção emotiva, um choro fechado dentro de um quarto de um prédio esquecido pelo tempo. Clausura, sofrimento. Aqui, pouco espaço existe para sorrisos desmesurados e frases de contentamento. O facto de não conter palavras torna as coisas ainda mais perfeitamente comovedoras.

Aqui não são traçadas novas directrizes, novos rumos. Apesar disso, Lushlife não deixará muita gente indiferente pois há canções de uma beleza tocante. São sensivelmente cinquenta minutos onde se constroem espaços luxuosos e faustosos que rapidamente transportarão qualquer um de nós para distantes lugares de sonho e utopia. No fim, este álbum soa como a banda sonora de uma despedida devia soar. Incontornável e sem esperança. Agora silêncio, não tarda nada e a cidade voltará a acordar.

André Gomes
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
nada
The Bends
The Bends


Número de Mensagens : 581
Data de inscrição : 07/01/2009

MensagemAssunto: Re: Bowery Electric   Seg Out 19, 2009 12:13 pm

Adorei a capa,

depois vou ouvir
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
Bowery Electric
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Cubo Ashdown Electric Blue EB15180
» The Electric Recording Co.
» Cordas daddario $13,10
» Upright Germano M
» High End em Munique

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
RA D IOHE_A D/B_RA S IL :: OFF :: Outras Bandas-
Ir para: